quinta-feira, 10 de julho de 2008

Inquietas divagações


Estás inquieta?

Teu olhar me espreita, castanho e intenso.

Escrever poemas, discorrer dilemas.

E se entre versos, compassos, letras e sonhos

Descobrir tua pele perfumada, arrepiada e meu olhar

Detido nas trilhas percorridas

No corpo inteiro da cama toda.

E se entre tudo e mais um pouco

Ainda assim, teu gosto ficar na boca

Ressecada, entre palavras, sussurros e teu beijo

E se a cada linha percorrida, palmo a palmo te reconhecer

Gosto de beijo, saliva e teu cheiro

E nas linhas descritas teus traços, curvas e minha euforia.

Será que este dilema não se resolvia?

E este poema para tua inquietude oferecia...


.

5 comentários:

Vanessa disse...

"Mas seus olhos castanhos me metem mais medo que um raio de sol..."

Marcos Bonilha disse...

Grande Fernando!

Curti o Quodores, já está entre os meus especiais e no blogroll do Lua.

O que acho estranho é que nunca havia reparado no link do cadastro dos comentários e, agora que vi, sempre estava lá.

Coisas do Wordpress.

Abraços e não esquece da rodada. hehehe

Eliana disse...

...Tem inquietudes e dilemas que só se resolvem no silêncio.
No silêncio dos versos...
... ou dos sonhos.

Abraços.

Lilica.

o amnésico disse...

Viajando pelas sensações evocadas, deixo inquietações e dilemas dançarem na noite fria...

Abraço sem memória nem sono.

Renata M. Domingos disse...

Poesia linda e intensa!
Uma das suas novas mais bonitas.